segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

«Ler, Contar e Mostrar»

“A educação é sempre uma “aventura” colectiva de partilha: de afectos e sensibilidades, de conhecimentos e saberes, de expectativas e experiências, de atitudes e valores, de sentidos de vida…”*
Todas as 2ªfeiras, após o Plano Semanal, o tempo é dos alunos.
 


A actividade com o nome: “Ler, Contar e Mostrar” é um tempo incluído no Plano Semanal no âmbito das rotinas de trabalho estabelecidas no início do ano. Neste tempo, os alunos apresentam trabalhos realizados por iniciativa própria, após inscrição, junto ao responsável por essa tarefa que tem de fazer um pequeno inquérito, ao apresentador, para classificar o tipo de produção a ser apresentada. Após a inscrição têm a palavra, seguindo a ordem de chamada do responsável que informa a turma da tipologia da produção.

A apresentação de produções é um momento de comunicação oral, de partilha de informação, novos conhecimentos e regulação das regras sociais da comunicação: saber ouvir, pedir a palavra, não interromper e respeitar as opiniões dos colegas.
      Nos momentos de trocas de experiências e saberes, o envolvimento afectivo de partilha é necessário para que os alunos possam expor, aos colegas e professora, os seus sucessos e insucessos e suportem a exposição pública e análise dos colegas.

video

*“A Escola com que sempre sonhei” – Rubem Alves (Trabalho cooperativo e mudança de atitudes profissionais na escola 1º Ciclo de Ensino Básico)

sábado, 15 de janeiro de 2011

Gestão do Comportamento e Disciplina Positiva

          Saída ao meio próximo, com a turma,  é uma actividade cansativa, não só fisicamente, dependendo da distância e do relevo do trajecto,  mas também pela alteração comportamental, dos alunos,  exigindo adaptações na gestão desta.
          A gestão de comportamentos é um aspecto vital para a vida social da turma. Hoje, antes de iniciar a actividade, "Cantar as Janeiras" teria sido uma boa estratégia rever as expectativas comportamentais para a actividade.
          Nesta, difícil tarefa de gerir a disciplina e os comportamentos no sentido de sãs relações interpessoais entre professor e aluno, este necessita de um professor que seja um bom modelo a nível comportamental, que seja firme, justo e que de forma clara oriente a turma, dentro e fora da sala de aula.

         
          Da leitura do livro: "Como Ensinar Todos os Alunos na Sala de Aula Inclusiva" - (Sandra F. Rief e Julie A. Heimburge), sugere-se algumas estratégias comportamentais positivas de modo a melhorar a qualidade da gestão da sala de aula:
          ...
• Elogiar e fazer o retorno positivo, específico e ilustrativo junto de alunos que correspondem às expectativas. "-Gosto da forma como o (aluno X) se mantém na fila! Bom trabalho!"; "- Vejo como o (aluno X) tem o seu livro aberto na página correcta e o material pronto a ser utilizado. O (aluno X) está pronto a trabalhar!"
• Usar tácticas preventivas (antecipar problemas e evitá-los recorrendo a uma cuidadosa planificação).
• Proporcionar pausas frequentes nas actividades e oportunidades para os alunos se movimentarem.
• Adiar as instruções até que tudo esteja calmo e os alunos estejam concentrados.
• Logo que entram na sala, orientar os alunos para as actividades rotineiras de iniciação ao trabalho.
• Recorrer ao controlo de proximidade, circular por entre os alunos ou posicionar-se junto ao aluno cujo comportamento é adequado ou que está prestes a sê-lo.
• Tentar ignorar comportamentos ligeiramente inadequados.
• Mudar os alunos de lugar (mais próximos do centro de instrução, longe das distracções.
• Retirar aos alunos artigos/objectos que causem distracção.
• Proporcionar atendimento individualizado aos alunos.
• Tentar mostrar o máximo de empatia e de compreensão.
• Estabelecer contacto com o olhar ou gestos/sinais não verbais de forma a avisar e reorientar (sem ter de atrair a atenção negativa sobre esse aluno frente aos seus pares).
• Discutir individualmente as situações num tom de voz calmo e suave.
• Recorrer ao humor para fazer diminuir a intensidade de situações problemáticas.
• Evitar sermões, censuras e críticas permanentes.
• Apresentar opções de actividades, destinadas a alunos que completam os trabalho antes do tempo previsto, a fim de provocar problemas provocados pelo tédio.
• Assegurar que o trabalho independente é de desenvolvimento adequado às possibilidades de o aluno o realizar com sucesso.
• Preparar aulas envolventes e motivadoras e se os alunos compreendem a sua relevância.
• ...
         Um sistema usado para organizar, gerir e avaliar de forma cooperada, o trabalho, o tempo, os conteúdos e a vida social da turma, pressupõe a criação e dinamização de momentos de partilha de responsabilidades numa participação democrática. O MEM tem uma "instituição" com estas funções, Conselho de Cooperação (Assembleia de Turma). http://www.movimentoescolamoderna.pt/
          Aconselho a experiência.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

As viagens são mais rápidas quando nos estamos a divertir.

Há uma nova tarefa para o professor, além do ensino dos conteúdos disciplinares é preciso que se preocupe em ser também o professor do prazer e da alegria.”- Rubem Alves, A Alegria de ensinar.


Um comboio, a vapor, andava tão devagar, tão devagar que os passageiros saíam das carruagens e iam a pé, curiosamente, deslocando-se mais rápido que o próprio comboio! Até que… o som saído de uma corda de violino, de um passageiro, provoca um solavanco no comboio… Outra nota musical, outro solavanco, e mais outra e outro… e inicia-se a harmonia de sons e notas que, aos poucos, vai ganhando adeptos que, batendo palmas, cantando, rindo e dançando dão alegria às carruagens…
O comboio ganha velocidade… e chega mesmo a levantar voo! Sem que os passageiros, disso, se apercebam! E, curiosamente, nesse dia, chega, ao seu destino, à mesma hora de todos os outros dias…  


Cabe-nos a nós, professores, tocar as notas da alegria de aprender e, entre solavancos, só iniciais, tornemos a viagem dos nossos alunos alegre, divertida, interessante, entusiástica , criativa e …lhes pareça mais rápida.